Papo nerd: desvendando os três cérebros

Lagarta Pintada Reply 00:22

Sou uma cientista frustrada. Anos de laboratório, em mais de um curso universitário na área de biológicas, longas tardes acompanhada de microscópios, tubos de ensaio e meios de cultura.... para acabar atrás de uma mesa de escritório. Virei uma burocrata, mas não perdi meu entusiasmo e encantamento pela ciência e pelo que ela pode fazer por nós. Sobretudo, nós mães.


Já comentei em um post anterior sobre a revolução que tem havido nos últimos anos nas Neurociências, com impactos importantíssimos na forma como podemos entender o desenvolvimento e a educação de nossas crianças.  Nessa área, me chamou atenção o trabalho da Dra. Regalena Melrose, uma neurocientista dedicada a explicar, de forma acessível, como podemos fazer intervenções em educação com base nos conhecimentos neurocientíficos mais recentes.

Em seu trabalho, a Dra. Melrose se baseia na teoria do cérebro trino, desenvolvida nos anos 90 pelo pesquisador norte-americano Paul D. MacLean, de que o cérebro humano consiste em três estruturas agregadas sequencialmente no curso da evolução das espécies. As estruturas corresponderiam, grosso modo, a estágios de evolução distintos e regulariam funções mais ou menos evoluídas da nossa mente.  Segundo ela, essas três estruturas cerebrais (sistema reptiliano, límbico e neocórtex) vão maturando de forma hierárquica, ou seja, uma depende da outra para se desenvolver bem, ao longo do desenvolvimento da criança.

Ok, você vai dizer, mas o que isso tem a ver com a criação do meu filho?
Vamos chegar lá...

Cérebro reptiliano
O que é: a estrutura cerebral que corresponde ao nível evolutivo dos répteis. Comanda os instintos de sobrevivência. Reage, basicamente, de duas formas: excitação e contentamento.
Desenvolvimento: é a única estrutura cerebral em pleno funcionamento no recém-nascido. Fala o idioma das sensações: táctil, olfativa, paladar, audição. A visão é muito imatura nesse estágio.
Como lidar: como um recém-nascido se comunica com você? Pelas reações de excitação e contentamento. Fome, fralda molhada ou qualquer desconforto causam excitação, que se manifesta pelo choro. Quando o problema é sanado, a resposta do bebê é o contentamento, e ele volta ao estado de tranquilidade. Para se comunicar com o bebê nesta fase, abuse dos estímulos sensoriais: tato, olfato, paladar. Evite manter o bebê longos períodos em carrinho ou bebê conforto. Segure-o, acalente-o, se possível coloque em contato direto da sua pele com a dele. Os estímulos sensoriais desenvolvem o funcionamento do cérebro reptiliano, dando sensação de conforto, segurança e propiciando o desenvolvimento saudável da estrutura cerebral posterior.


Cérebro límbico
O que é: corresponde ao nível evolutivo dos mamíferos inferiores. Comanda emoções básicas, a motivação e a memória. Reage com manifestações rudimentares de socialização, o bebê passa a buscar interação com as pessoas ao seu redor.
Desenvolvimento: começa entre 2 a 3 meses de idade. O bebê passa a se comunicar manifestando emoções, o sorriso passa a ser intencional, desenvolve diferentes expressões faciais.
Como lidar: a interação social passa a ser a forma mais poderosa de estimular o bebê a partir desta fase. Tom de voz, expressões faciais, aproveitando os estímulos sensoriais já explorados anteriormente. Procure descobrir o que faz o bebê se divertir e repita várias vezes. O prazer associado a diferentes atividades multiplica as conexões neuronais. Segure o bebê no colo sempre que ele demonstrar necessidade; não tenha medo de "mimar" ou "estragar" o bebê. (As pesquisas demonstram que bebês que têm as necessidades atendidas são mais tranquilos e aprendem a se auto-regular com mais facilidade do que os bebês que são deixados em situações de estresse por períodos prolongados.) Movimentos em vários sentidos (com segurança) - para cima e para baixo, para os lados, girando - ajudam o bebê a desenvolver os músculos e o senso de equílibrio necessário para o amadurecimento da coordenação motora.


Neocórtex
O que é: corresponde ao nível evolutivo dos mamíferos superiores. Comanda as funções "superiores" como pensamento consciente e racional, linguagem, percepção espacial - sendo a parte que mais se expandiu no cérebro humano (sobretudo pelo desenvolvimento evolutivo da linguagem).
Desenvolvimento: começa por volta dos 9 meses e só se completa... POR VOLTA DOS 25 ANOS DE IDADE!!!
Como lidar: o neocórtex responde à linguagem, por isso exponha o bebê ao vocabulário mais variado que puder. Cante, converse, fale trava-línguas, parlendas, pronuncie sequências de sílabas parecidas de modo que o bebê possa observar a articulação dos seus lábios (som de TV não ajuda nenhum bebê a falar sobretudo porque não há associação visual entre o som e o movimento labial necessário para produzi-lo). Fale com o bebê olhando para ele e observando suas reações, descubra o que agrada e, repita, repita, repita. Não acredite que cartazes com palavras e figuras, muito menos vídeos, tenham o poder de ensinar qualquer coisa ao seu bebê (não há qualquer comprovação científica de que flashcards no estilo do método Glenn Doman funcionem). Lembre-se, o neocórtex leva mais de 20 anos para se desenvolver e, durante muito tempo, as crianças precisam dos estímulos sensoriais e emocionais dos sistemas reptiliano e límbico para realmente poderem aprender.

A Dra. Regalena Melrose defende que a imposição de responsabilidades acadêmicas para crianças pequenas é um verdadeiro crime, justamente porque o neocortex ainda está muito pouco desenvolvido. Tirar as crianças de um ambiente lúdico e criativo e colocá-las abruptamente em uma sala com carteiras enfileiradas e cobrança de deveres de casa diários é, na opinião dela, o motivo pelo qual tantos alunos mostram-se hiperativos ou apáticos no ambiente escolar. A ciência finalmente está conseguindo explicar o que muitos pais já intuiram: uma transição mais suave da aprendizagem sensorial para o ensino formal, empregada em escolas com pedagogias às vezes descritas como "alternativas", tem o potencial de produzir crianças mais ajustadas, felizes e academicamente bem-sucedidas.

Fontes:
Website da Dra. Regalena Melrose
Centro de Desenvolvimento Infantil da Universidade de Harvard

Related Posts

habilidades cognitivas 6572237648634361079

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Olhando no espelho

Mãe lagarta em metamorfose permanente... com família a reboque mundo afora.

Brasil, Estados Unidos, Bolívia e Emirados. Água, terra, fogo e ar.

Porque sem sair do casulo, ninguém descobre a verdadeira identidade.

Receba por email

eu apoio