Meus amigos, os micróbios

Lagarta Pintada Reply 02:20

Você faz o tipo limpinho e asseado? Não gosta de pegar na comida com as mãos e usa sabonete Protex para livrar-se das bactérias indesejáveis? Está na hora de rever seus conceitos.

Não resisti em postar sobre esta matéria do New York Times... Considere isto: dividindo o seu corpo com você, neste momento, existem nada mais nada menos que 100 trilhões de bactérias... Segundo o jornal, elas estão sendo redescobertas pela ciência como novas super-aliadas para um organismo saudável, numa espécie de simbiose em que elas digerem parte da nossa comida, aumentam nossa imunidade, produzem vitaminas para nosso consumo e podem até fazer diferença na nossa capacidade de ganhar peso.

Ame os micróbios do seu intestino... e cuide bem deles!

Tudo depende do tipo de bactérias que estamos cultivando nos intestinos... o tipo errado pode predispor à obesidade, doenças crônicas, alergias e até alguns tipos de infecção, segundo os cientistas do American Gut Project (algo como "Projeto Tripas Americanas", ugh...), um mega-empreendimento científico que pretende mapear a população de bactérias que habitam os intestinos de centenas de milhares de pessoas.


Como as bactérias do bem se desenvolvem nas crianças

A pesquisa ainda está no início, mas os cientistas já sabem, por exemplo, como a população bacteriana se desenvolve nos intestinos do bebê. No útero, o feto não tem contato com nenhuma bactéria, mas durante o parto, adquire bactérias vaginais e intestinais da mãe quando passa pelo canal vaginal.  Já os bebês que nascem via cesárea não são "inoculados" com as bactérias maternas - isso explica porque estão mais predispostos a desenvolver asma, alergias e doenças autoimunes. (Um dos pesquisadores envolvidos no projeto, preocupado quando a mulher teve que ser submetida a uma cesárea de emergência, decidiu inocular as bactérias vaginais da mãe na pele da filha recém-nascida, para garantir que ela começasse a vida em boa companhia... -- isso é que é gostar de bactéria!)

A população microbiana se estabiliza por volta dos três anos e, até essa idade, depende basicamente da dieta materna, nos bebês que são amamentados. O leite materno transmite bactérias de mãe para filho, coisa que a fórmula, por melhor que seja, não faz. O que também explica as diferenças estatísticas entre o desenvolvimento saudável de bebês que são amamentados e os que não são.

A partir daí, a variedade de micróbios que a criança desenvolve vai depender, basicamente, do que ela come. O problema das dietas "ocidentalizadas" é que a comida processada não alimenta os bichinhos, porque ela já vem toda pronta para ser absorvida pelo intestino, não sobrando nada para as pobres bactérias... Por isso, a biodiversidade intestinal dos habitantes de países desenvolvidos -- que consomem muito mais comida processada -- é menor e menos saudável do que a de populações vivendo em locais menos industrializados. E, quanto mais variada a população das bactérias "do bem", mais protegida a pessoa fica de infecções e intoxicações alimentares, porque os micróbios residentes "trabalham" para impedir a proliferação de germes patogênicos. Por isso, muitas vezes uma mesma comida faz muito mal a uma pessoa e nem afeta outra.

Outro problema para manter a população bacteriana nos níveis desejáveis é a quantidade de antibióticos. As crianças em países desenvolvidos recebem, em média, entre 10 e 20 tratamentos com antibióticos antes de completarem 18 anos. É claro que ninguém está querendo defender a abolição dos antibióticos, mas não seria o caso de se perguntar se não estamos exagerando na dose?

Conselhos dos cientistas que trabalham no projeto: inclua mais pratos fermentados na dieta, tais como iogurte e chucrute; abuse das comidas cruas, que contêm as bactérias boas (mas, claro, não deixe de lavar direitinho!); não tenha medo de deixar seus filhos pegarem um pouco de "vitamina S" e, sobretudo, comemore se você não vive em um país super civilizado e desenvolvido! Sim, a nossa comida é melhor, mais natural, mais cheia de bactérias e, por enquanto, mais barata.

Related Posts

saúde 2994494181912985295

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Olhando no espelho

Mãe lagarta em metamorfose permanente... com família a reboque mundo afora.

Brasil, Estados Unidos, Bolívia e Emirados. Água, terra, fogo e ar.

Porque sem sair do casulo, ninguém descobre a verdadeira identidade.

Receba por email

eu apoio