Quando o elogio atrapalha a educação dos filhos

Lagarta Pintada Reply 01:19

"Muuuuto bein! Baaavo!" Sissi é a primeira a repetir para si mesma e para todo mundo à sua volta -- quando sobe as escadas sozinha, fecha a tampa da mamadeira ou guarda seus livros no lugar. Ela já se acostumou com os elogios sempre que faz alguma proeza e checa ao redor para ver se todos nós estamos acompanhando. Por mais que seja uma gracinha ver que ela é tão esperta, eu me preocupo.



Estamos vivendo numa época que supervaloriza o elogio. Os castigos que faziam parte da rotina na educação dos meus pais; a disciplina da época quando eu era criança... tudo isso desapareceu do vocabulário dos pais e educadores de hoje. Lembro de expressões tipo "varinha de goiabeira", "surra de cinta" -- ainda bem que as coisas não funcionam mais assim, claro! Mas tenho a impressão de que a minha geração, talvez influenciada pelos achados da "psicologia moderna", migrou para o extremo oposto.

Em algum momento no século passado, por exemplo, os cientistas descobriram que podiam ensinar ratos a correr dentro de labirintos, pombos a bicar botões coloridos, cachorros a salivar -- tudo usando um esquema controlado de recompensas. Estava aberto um caminho tentador: a idéia de que podemos motivar seres humanos usando um esquema parecido de incentivo. O elogio entra no lugar da recompensa como o reforço positivo para condicionar o comportamento do filho...

Eu tenho pra mim que esse "mito do elogio" também é influenciado pela era dos livros de auto-ajuda, que oferecem soluções fáceis e simplistas para os problemas da vida moderna. Quem nunca deu uma espiada rápida num livro de auto-ajuda que atire a primeira pedra!!! Na onda da auto-ajuda, vale tudo: soluções para o casamento, dicas para se dar bem no trabalho, e por que não... métodos prontos para educar os filhos?

Quer seja como recompensa, quer seja como auto-ajuda... todo mundo gosta de ser elogiado. De ser reconhecido e admirado. Fica difícil não defender as conveniências do elogio na hora de educar os filhos. Mas a verdade é que esse caminho fácil de motivar e condicionar comportamento esconde armadilhas.

A principal é que o elogio desloca o foco da motivação. Quando o adulto exclama "que lindo" para o desenho, a mensagem implícita é a de que o julgamento (lindo) é que importa. Logo logo, a criança aprende que precisa agradar ao adulto para que seu esforço seja recompensado, ou seja, o foco de sua motivação se torna externo, quando na verdade melhor seria que fosse estimulada a desenvolver sua motivação interna. Quanto mais ela se tornar dependente de aprovação dos outros, menos auto-confiança e menos capacidade de aceitar desafios terá. Veja a explicação da psicóloga Shelley Nemeth, da Fundação HighScope, sobre o assunto:




Como fazer para encorajar a motivação interna e o esforço? Vários especialistas hoje sugerem que o elogio deve dar espaço ao encorajamento. Maria Montessori já tinha percebido isso anos atrás, e toda sua filosofia é desenvolvida em torno de uma disciplina sem punições nem recompensas, encorajando as atividades da criança para ela desenvolver auto-confiança.

O encorajamento é específico, oferece uma descrição objetiva do que a criança fez e convida à reflexão. Ele reconhece o esforço sem julgar, do contrário estaríamos ensinando que a criança tem valor somente quando faz algo que agrada o adulto.



Elogio
Encorajamento
Centrado no resultado
Centrado no processo
Introduz juízo de valor ou avaliação externo
Estimula a auto-avaliação
Enfatiza que a criança deve agradar aos outros
Enfatiza que o mais importante é o esforço e o empenho
Projeta julgamento/avaliação
Projeta aceitação
Desperta a rivalidade, a idéia “você é melhor que os outros”
Desperta o espírito de colaboração, a idéia “você contribuiu desta maneira”


Para "quebrar" o hábito do excesso de elogios aqui em casa, estou usando algumas estratégias. Toda vez que a Sissi vem me mostrar alguma coisa já dizendo "muito bem!" ou "bravo!", eu faço uma descrição simples do fato, procurando mostrar interesse e tentando relacionar com alguma coisa positiva para ela.

Com base nisso, deixo algumas idéias para você tentar no lugar do "muito bem", "boa menina" ou "que lindo":


  • Se seu filho comeu tudo e está orgulhoso...    Você pode dizer: Puxa, você comeu tudo! Vai ficar forte, não é?
  • Se ele vem te mostrar o desenho...     Você pode dizer: Estou vendo que você usou várias cores aqui neste dragão, isso é muito interessante. De que cor você mais gosta?
  • Se ele vem te mostrar um desenho indecifrável...     Você pode dizer: Vejo que você está se divertindo muito com seus desenhos. Você pode me falar um pouco desse que você fez?
  • Se ele guardou todos os brinquedos espalhados pelo quarto...   Você pode dizer: Seu quarto ficou muito bem arrumado depois que você guardou todos os brinquedos. Agora você vai ter mais espaço para fazer outras atividades.
  • Se ele vem te mostrar as boas notas...    Você pode dizer: Suas notas foram boas porque você se esforçou, parabéns. Como você está se sentindo? Se ele não souber explicar como se sente, você pode ajudar: Você deve estar se sentindo muito orgulhoso de si mesmo.


É preciso um certo esforço consciente para trocar o elogio pelo encorajamento no começo. Mas é claro que não é para abandonar de vez os elogios. É só usar assim, como se fosse orégano, uma pitadinha aqui, outra ali, para dar um gosto especial... No longo prazo, você terá oferecido várias oportunidades de demonstrar na prática, para o seu filho, que o que ele faz tem valor mas que independente disso, você o ama incondicionalmente.



Related Posts

Montessori 6277364058584941735

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Olhando no espelho

Mãe lagarta em metamorfose permanente... com família a reboque mundo afora.

Brasil, Estados Unidos, Bolívia e Emirados. Água, terra, fogo e ar.

Porque sem sair do casulo, ninguém descobre a verdadeira identidade.

Receba por email

eu apoio