Crianças + Livros: estratégias de leitura entre 2 e 3 anos

Lagarta Pintada 2 00:39
Quinto post da série de atividades de estímulo à leitura para crianças

A gente costuma pensar que as crianças aprendem a ler por volta dos seis anos... Mas esse conceito não poderia estar mais longe da realidade. Aprender a ler é um processo que começa muito antes. E justamente na faixa entre dois e três anos de idade, é que despontam habilidades de reconhecer formas, símbolos e cores, precursoras do desenvolvimento da leitura.

A partir dessa idade, fica bem evidente que o desenvolvimento dos pirritinhos – como diz meu sogro – dá um salto. A comunicação pela linguagem já é uma realidade e, de uma hora para outra, você pode passar a ouvir expressões do tipo "essa menina bebeu água de chocalho?" ou "ele foi vacinado com agulha de vitrola?". O pior é que as mudanças não param por aí: junto vêm as birras, malcriações e caprichos.


Sissi ainda não entrou oficialmente nessa faixa etária mas, de muitas maneiras, já chegou lá. Especialmente no quesito dos caprichos. Ela fala tudo explicado: exige ir para o jardim às 8h da noite, pede para passear de carro na hora do almoço e determinou que o lugar para ela dormir é o "cato da mamãe". E ai de mim quando eu discordo.


Os americanos têm uma expressão muito apropriada para essa fase: terrible twos, ou "os terríveis dois anos". Você sabe bem quando ela começa, e não precisa ser necessariamente no segundo aniversário. Se de repente parece que o seu filho faz tudo exatamente ao contrário do que você pede, se ele grita no lugar de falar e, sobretudo, se NÃO virou a palavra favorita... bem-vindo aos terrible twos!

Dá até um pouquinho de desânimo de tentar convencer a ferinha a sentar pra ler com você...

Mas, tentando entender como a cabecinha do seu filho está se transformando nesta etapa, fica mais fácil pensar em formas de atraí-lo para a leitura.


Dos 24 aos 36 meses



  • Proezas físicas: pular com os dois pés; se equilibrar em um pé só, pedalar o triciclo, correr, subir escadas alternando os pés, chutar uma bola com força... energia que cansa só de olhar! 
  • Raciocínio abstrato: começa a aprender a fazer-de-conta, a imaginar, e a pensar sobre coisas que estão fora do alcance da vista.
  • As palavras começam a se encadear e virar frases com sentido completo, expressando idéias e emoções.
  • Passa a mostrar sinais de pensamento de causa e consequência nas atividades do dia-a-dia. Por exemplo: "Se eu for para o jardim enquanto está chovendo, vou me molhar". A descoberta da causa-e-efeito é o principal motivo que faz a criança perguntar "por quê?" o tempo todo!
  • Brincadeiras repetidas: o gosto pela repetição não é algo novo para esses pequenos aventureiros. Mas a partir de agora, eles passam a repetir ações mais complexas, com sequências lógicas, como, por exemplo, querer dar banho na boneca na pia 17 vezes em uma tarde...


Estratégias de leitura e atividades interessantes


Primeira Dica
Para tirar proveito dessas transformações, minha primeira dica é aproveitar a energia e a motivação do seu pequeno para vincular os livros com brincadeiras interessantes. Uma sugestão é usar livros de animais e combinar com brincadeiras. Para essa faixa etária, livros sobre animais é o que não falta nas livrarias... Para cada animal ilustrado no livro, você pode ensinar seu filho a imitar o bicho. Veja como fazer o "passo do urso" e o "passo do caranguejo":


E por aí vai. Outros bichos fáceis de imitar: macaco, coelho, sapo, minhoca... Você intercala a brincadeira com a leitura e ainda estimula a coordenação motora.

Segunda Dica
Livros com frases rimadas. Como o raciocínio abstrato está mais desenvolvido agora, a criança começa a curtir a repetição de sons engraçados, mesmo que não façam sentido ou sejam palavras que ela ainda não conhece. Ela já vai entender a graça por trás da rima e isso pode trazer horas de divertimento. Um livro muito legal para isso é Cadê o Meu Penico? de Mij Kelly. Além de ser todo rimado, o livro tem a vantagem de abordar um tema importante nessa fase: o desfralde. A história da personagem Hortênsia, que precisa fazer uma "coisa" com muita, muita urgência, mas tem o penico roubado, é hilária!



O Jogo do Contrário, da Jandira Mansur, é um livro que eu amo desde pequenininha. Li quando ainda estava na primeira série. E depois comprei um novo para ler com LL quando ele era pequeno. A história do menino Manequinho, que começa a imaginar como as coisas devem ser ao contrário quando o dia vira noite, é uma delícia. As rimas são engraçadas, o texto tem um monte de repetições, então a criança acaba decorando fácil. Eu lia para ele e as frases repetidas ele sempre queria completar.


Terceira Dica
Se um dos principais desafios dos terrible twos é aprender a lidar com as emoções, por que não aproveitar a literatura infantil para dar uma mãozinha? Livros que ajudem a mostrar que todo mundo tem emoções e sentimentos diferentes, com frases e ilustrações simples, são uma ótima pedida. Em particular, eu sou super fã do Livro dos Sentimentos, do Todd Parr. Ele mostra, de forma divertida e envolvente, que mudar de humor é natural; e ajuda os pequenos a verbalizar as emoções – primeiro passo para superar logo a fase das birras.


O blog Mil Dicas de Mãe tem um post bem legal sobre outro título desse mesmo autor. Na verdade, absolutamente todos os livros do Todd Parr são o máximo. Os temas são envolventes: família, paz, adoção, amor e diferenças. Inspiram crianças e pais.


E, no caso dos papais e mamães expatriados, que dão duro para cultivar o português longe da terrinha, como eu, essa série ainda traz uma vantagem adicional. Os livros praticamente todos existem publicados em inglês e em português. (Imagino que em outros idiomas também...) Dá para comprar a versão brasileira e a estrangeira, para brincar com a transição entre os idiomas de forma criativa e relaxada.


Leia os posts anteriores: atividades para bebês até seis mesesleitura para a faixa etária de seis a doze meses e formando uma bibilioteca entre 12 e 24 meses.

Related Posts

ler 4382232069546411299

2 comments

Cara Lagarta,

Adorei o post. Beijos e saudades das duas.

AL

Adorei seu post! Estamos nessa fase aqui rss... Meu caçula Arthur está com 2 anos e 3 meses e tudo que você descreveu dos 24 aos 36 meses identifiquei aqui. Muito bom.

Beijos em vocês.

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Olhando no espelho

Mãe lagarta em metamorfose permanente... com família a reboque mundo afora.

Brasil, Estados Unidos, Bolívia e Emirados. Água, terra, fogo e ar.

Porque sem sair do casulo, ninguém descobre a verdadeira identidade.

Receba por email

eu apoio