O que meninas têm a ensinar sobre auto-imagem corporal?

Lagarta Pintada Reply 08:52


Eu tinha programado escrever hoje um post de sequência na série de posts sobre estratégias de leitura, mas ontem tarde da noite li uma reportagem na internet que me desassossegou. O artigo fala da modelo Cameron Russell e da palestra que ela deu em uma TED Conference sobre percepção de beleza e o impacto na auto-estima e nos julgamentos que fazemos dos outros. Depois que eu postei um texto falando sobre a pressão do universo das princesas Disney sobre os rótulos de feminilidade, não podia deixar de dar meu pitaco nesse assunto: a influência da imagem do corpo nas nossas vidas e, sobretudo, na de quem é mais vulnerável, as crianças.

A modelo Cameron sustenta que não se deve deixar que a imagem de uma pessoa influencie a opinião a respeito dela. Até aí tudo bem, quem é que não sabe disso? "As aparências enganam"; "nem tudo que reluz é ouro"; "não julgue um livro pela capa" -- a sabedoria popular está repleta de conselhos que nos ensinam que a aparência é superficial... Mas quando você olha as fotos acima e descobre que a mulher que está na foto à esquerda é a mesma menininha que aparece à direita -- as duas fotos são da mesma Cameron Russell e foram tiradas em um intervalo de um mês -- você começa a entender o que a modelo quer a dizer. 

De um lado, um mulherão sexy, do outro uma guriazinha de maiô do lado da avó. É quase impossível acreditar que se trate da mesma pessoa e, de imediato, fica óbvio como somos levados a conclusões precipitadas só de olhar para uma imagem. Na palestra, Cameron vai além e afirma que o fato de ter a aparência perfeita foi para ela um fator repressivo, pois além de obrigá-la a viver em função do espelho -- o que a tornou profundamente insegura com relação à própria aparência --, afastava-a das pessoas porque todos à sua volta julgavam que ela era mais feliz só por ter rosto e medidas invejáveis.

A palestra de Cameron se tornou fenômeno de popularidade na internet. E a moça resolveu ampliar o debate, criando uma revista colaborativa que dá espaço para mulheres compartilharem idéias sobre a relação entre aparência, auto-estima e o poder da mídia nesse contexto. Cameron, com muita propriedade, diz que todo mundo sabe que a aparência de uma pessoa não tem nada a ver com o seu nível de inteligência, criatividade ou competência; mas que, mesmo assim, ela interfere de forma poderosa nas oportunidades que a sociedade oferece a cada pessoa. 

A primeira edição da revista de Cameron, Interrupt Mag, traz uma matéria em que as meninas dão uma lição de simplicidade e sabedoria. Perguntaram a garotinhas entre 4 e 9 anos o que elas pensavam dos próprios corpos. Algumas respostas:

'Eu gosto dos meus olhos. Eles mudam de cor. Eu posso ver
tudo. Eu gosto das minhas pernas. Elas são bem compridas.'
(Cherae, 5 anos)

'Eu gosto das minhas mãos. Elas me ajudam a desenhar.'
(Laila, 6 anos)

'O que eu gosto no meu corpo é que eu posso correr rápido,
e como eu sou saudável."
(Lana, 9 anos)

'Eu gosto do meu corpo porque ele é mágico.'
(Sophia, 5 anos)

Não parece incrível que meninas tão pequenas já demonstrem uma profunda admiração pelos próprios corpos? E não porque eles se enquadrem em algum padrão de beleza, mas porque são úteis e, como ferramentas, podem ser usados para fazê-las mais felizes.

Mais impressionante ainda é pensar que, em poucos anos, essas meninas vão deixar de apreciar e aceitar seus corpos porque passarão a desejar ser mais magras, esguias, ter menos (ou mais) seios e acabar com as celulites.  Em algum lugar entre a infância e a adolescência, o encanto se perde e começa uma relação perversa de dependência entre a auto-estima feminina e a aparência do corpo. Uma pesquisa realizada no Hospital das Clínicas de São Paulo aponta que 67% das adolescentes não gostam do próprio corpo.

Será que a naturalidade dessas menininhas não pode nos ensinar a voltar a gostar mais dos nossos corpos, que nos mantêm vivos neste planeta, que permitem que sejamos felizes e continuemos a existir, mesmo quando já não estivermos mais aqui, por intermédio dos nossos filhos...?


Related Posts

crescer 1203746985756040988

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Olhando no espelho

Mãe lagarta em metamorfose permanente... com família a reboque mundo afora.

Brasil, Estados Unidos, Bolívia e Emirados. Água, terra, fogo e ar.

Porque sem sair do casulo, ninguém descobre a verdadeira identidade.

Receba por email

eu apoio